A esperança para os sem esperança: a história de como eu saí da indústria do sexo

Copy of Hope-for-the-Hopeless-Walking-Out-of-the-Sex-Industry-e1530143821393.jpg

Com 18 anos, eu comecei a trabalhar na indústria do sexo. Com 19 anos, eu estava viciada em álcool e drogas, fazendo milhares de dólares por mês e completamente morta pra mim mesma. Eu honestamente não me importava mais com o que aconteceria comigo. O que eu não sabia na altura, é que eu estava prestes a ter um encontro com Deus que mudaria tudo. Mas, vamos recuar alguns anos para eu te explicar como cheguei lá. Minha história não é fácil, mas tem um fim muito bom, então aguenta aí. Ele verdadeiramente é um Curador para os corações partidos (Salmos 147:3)

Minha primeira infância foi extremamente normal e chata. Eu tinha uma família cristã amável e sempre tive mais que o suficiente. Apesar disso, eu comecei a ficar depressiva, e com 10 anos, disse à minha mãe que queria me matar. Pula alguns anos e eu estava vomitando diariamente para emagrecer e me cortava na tentativa de lidar com a dor interna. Um colega de turma me abusou sexualmente no fim da nona série, e eu tentei me suicidar cerca de um ano depois, esmagada pelo peso do ódio em relação a mim mesma e da vergonha.

Minha tentativa de suicídio me levou à unidade de tratamento intensivo, aonde eu fiquei inconsciente por dois dias. Nisso começou uma longa série de hospitalizações e tentativas de remédios. Eu passei mais de 100 dias em enfermarias psiquiátricas trancadas, vivi em casas de grupo e até fui para um tipo de programa militar sem abrigo interno ou água. Meus médicos usaram todas as opções, incluindo tratamento com choque elétrico, o qual eu fiz 11 vezes e resultou na perda da minha memória de curto tempo por um ano e meio. Apesar de querer ficar bem, nenhum tratamento funcionava. Eu estava perdida no mar da desesperança, e com 18 anos, tentei suicidar-me novamente.

As coisas não estavam boas e meus médicos queriam que eu me mudasse permanentemente para uma casa de apoio, coletar mais segurança social e passar por mais tratamentos de choque. Eu falei com um grupo de amigos para descobrir rápido um jeito de fazer dinheiro, e eles sugeriram stripping, que rapidamente abriu uma porta para eu entrar na indústria pornográfica em Los Angeles.

Os próximos três anos foram dedicados a trabalhar na indústria do sexo comercial como uma atriz pornô, stripper e prostituta. Durante esse tempo, me tornei viciada em drogas e álcool. Eu estava completamente dormente para mim mesma, bebendo por 12 horas ou mais por dia. Quando eu tinha 21 anos, já fazia milhares de dólares e dependia completamente do álcool e do dinheiro para anestesiar a minha dor.

 

“APESAR DAS MINHAS CIRCUNSTÂNCIAS, DEUS ESTAVA LÁ.”

 

Apesar das minhas circunstâncias, Deus estava exatamente lá, e Ele decidiu me encontrar radicalmente e me guiar em uma jornada de dois anos até a minha salvação. A primeira chave que Ele me deu foi um perdão sobrenatural para a pessoa que tinha me violado sexualmente e perdão para mim mesma. Quando comecei a me encontrar com a presença de Deus, ficou claro para mim que eu precisava sair do meu trabalho no clube de strip e parar de beber para que então eu pudesse segui-lo mais. Primeiro, eu parei de dançar, e seis meses depois, parei de beber também. Pouco tempo depois disso, eu parei com as pílulas de prescrição e de fumar cigarros. Logo ficou claro para mim que eu não podia mais dormir com o meu namorado (que estava comigo há dois anos) quando Deus me visitou exatamente antes de nós fazermos sexo.

Como uma nova Cristã, Deus me ensinou como andar em um estilo de vida de pureza, incluindo abstinência do sexo, pornografia, masturbação, álcool, drogas e relacionamentos tóxicos. “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.” (Salmos 51:10). Essa foi a minha oração diária como uma nova cristã e alguém que se recuperava de uma vida na indústria do sexo. Era Deus que estava limpando o meu coração e renovando em mim um espírito reto. Eu não tinha nenhuma resposta. Durante esse tempo, eu apenas me juntei à presença Dele e confiei que Ele transformaria a minha vida.

A depressão começou a ir embora. Ele substituiu a minha desesperança com alegria. Eu chorei lágrimas de alegria todos os dias durante um ano inteiro por conta da nova vida que eu estava experimentando. A alegria do Senhor verdadeiramente era a minha força (Neemias 8:10). Eu estava completamente rendida e desesperada por mais dEle. Sem recursos ou habilidades de trabalho, eu aprendi a como confiar em Deus para cada refeição e cada lugar pra dormir. Quanto mais eu mudava, mais isso era expresso em maneiras tangíveis. Minhas ações eram diferentes, meu caráter estava sendo transformado e o querer me resolver do jeito certo com pessoas que eu magoei foi um passo natural. Para mim, confiança e cura foi um longo processo que valeu a pena o esforço e a espera.

 

"SEM RECURSOS OU HABILIDADES DE TRABALHO, EU APRENDI A CONFIAR EM DEUS PARA CADA REFEIÇÃO E CADA LUGAR PRA DORMIR."

 

Meu desespero por Deus me levou a persegui-lo até a costa oeste, aonde eu conheci o meu marido (estamos juntos há 6 anos). Agora buscamos a Deus juntos e com os nossos dois filhos. Hoje, eu sou sóbria e estou fora da indústria do sexo há 8 anos. Eu não tomo nenhum remédio e tenho uma paz inabalável. Deus tem feito mais do eu poderia ter imaginado, pedido ou sonhado (Efésios 3:20). Eu desfruto todos os frutos o que o Espírito gerou na minha vida e muitos me descrevem como a mulher de Provérbios 31: “O valor dela excede o de rubis. O coração de seu marido confia seguramente nela... Força e honra são suas vestes; Ela se alegrará no tempo que virá.”

Além da minha família e minha saúde, um dos maiores presentes é a habilidade de mentorear outras mulheres que buscam a sobriedade e a pureza. Eu sou eternamente grata a Ele pelo profundo sentimento de paz e alegria que tenho hoje e pela liberdade de partilhar a minha história como mensagem de esperança a outros. Eu tenho certeza que se Ele salvou e curou alguém como eu, então Ele pode curar qualquer um. A graça dEle basta.

-Maggie, 31, California